Teste da vacina contra covid-19 no Brasil deve levar um ano

Vacina coronavírus (Dado Ruvic/Reuters)

 

O resultado do teste da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford que será realizado no Brasil deve demorar um ano para sair. O estudo vai testar a vacina em 2.000 pessoas no país. O país é o primeiro a participar do estudo, além do Reino Unido, onde a vacina está sendo desenvolvida.

“O desenho do estudo prevê um ano de acompanhamento. Entretanto, na pandemia, se os resultados se mostrarem favoráveis, é possível que a gente já tenha um licenciamento da vacina antes desse prazo”, afirma Lily Yin Weckx, coordenadora do Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), responsável pela condução dos testes em São Paulo.

O Brasil foi escolhido para participar do estudo por conta das altas taxas de infecção pela doença. “Para se fazer um estudo de eficácia de uma vacina é preciso estar em um ambiente que favoreça a infecção, e a curva de infecção da covid-19 no Brasil está muito alta. Além disso, o país é reconhecido no mundo pelo estudo e desenvolvimento de vacinas”, diz.

A vacina contra a covid-19 em desenvolvimento na Universidade de Oxford entrou na fase três de testes clínicos, em que pelo menos 10 mil pessoas serão vacinadas para averiguar a eficácia do produto.

Outros países também devem entrar no estudo, mas ainda não há confirmações. Há também a possibilidade de expandir o teste no Brasil, para além dos primeiros 2.000 voluntários. A princípio, o registro formal da vacina deve acontecer apenas após a conclusão dos estudos realizados em todos os países participantes.

O recrutamento de voluntários no Brasil deve começar nas próximas semanas. Assim que começar, a Unifesp vai divulgar contatos para os interessados em participar. Serão recrutadas pessoas que atuem na linha de frente do combate à covid-19 ou estejam mais expostas o vírus, como profissionais de saúde, motoristas de ambulância e pessoas que trabalhem na manutenção de hospitais. O voluntário precisa ter entre 18 e 55 anos e não pode ter sido infectado pelo novo coronavírus.

 

Fonte: exame.com

0 Comentários