​Comentário: Interferência brutal nos assuntos internos da China será em vão