​Comentário: Por que a reabilitação é errada?

O que você acha da reabilitação de menores infratores que cometeram atos criminosos?

Existe alguma maneira melhor de lidar com eles do que oferecer cursos de desradicalização se eles mostrarem verdadeiro remorso pelo que fizeram? E se eles estiverem dispostos a aprender novas habilidades para poder voltar a uma vida normal?

É o que a China tem feito em Xinjiang nos últimos três anos. Porém, a Câmara dos Deputados dos EUA acaba de aprovar um projeto de lei que critica a política da China para sua população uigur, alegando violações dos direitos civis e religiosos.

A chamada Lei Uigur de 2019 desconsidera os esforços, como o antiterrorismo e pede medidas para combater o que chama de “detenção arbitrária de mais de um milhão de uigures”.

É o mesmo que dizer que é errado pedir a alguém nos EUA que faça serviço comunitário obrigatório por pequenas infrações que cometeu. Embora o remédio para Xinjiang – onde as pessoas não aprendem apenas uma lição, mas algo útil – seja natural, mais semelhante ao Programa de Desistência e Desengajamento da Grã-Bretanha, o programa de des-doutrinação do país em Xinjiang está lidando com criminosos menores de idade para combater efetivamente as causas do terrorismo.

Entre 1990 e o final de 2016, Xinjiang sofreu milhares de eventos de inspiração terrorista, como bombardeios, assassinatos e ataques criminosos. Muitas pessoas inocentes foram mortas, incluindo várias centenas de policiais. O caso mais chocante ocorreu em 5 de julho de 2009 na capital regional Urumqi, no qual 197 pessoas foram mortas e mais de 1.700 ficaram feridas.

Embora os principais culpados tenham sido punidos legalmente, e os presos na teia ideológica – indivíduos encorajados e coagidos a uma ideologia radical, mas que não cometeram crimes físicos sérios ou infligiram algum dano real? Deveriam ser deixados sozinhos para serem reintegrados à sociedade?

A resposta de Xinjiang para isso é a educação e o treinamento vocacional como uma intervenção necessária para ajudá-los a recuperar a razão e a sensibilidade. Eles aprendem direito, ciências, habilidades linguísticas, técnicas de comunicação e várias habilidades profissionais, como têxteis, processamento de alimentos, comércio eletrônico e manutenção e reparo de automóveis.

Como resultado, muitos agora retomaram uma vida normal, encontrando um emprego ou iniciando seu próprio negócio. Nem um único caso de terror ocorreu nos últimos três anos e o turismo está crescendo novamente. Somente no ano passado, Xinjiang recebeu 150 milhões de turistas nacionais e internacionais, um aumento de 40% em relação ao ano anterior, incluindo 2,6 milhões de outros países.

O que está acontecendo é uma luta antiterror, mas também um processo de ajudar as pessoas a encontrar o caminho certo. Na China, essas práticas têm uma longa história de vários milhares de anos, com inúmeras histórias, anedotas, dramas e literatura clássica de famílias e vizinhos se unindo para ajudar a resgatar os que estão perdidos.

Tradução: Xia Ren

Revisão: Gabriela Nascimento

0 Comentários