Comentário: China acelera ritmo de expansão da abertura financeira

A China vai tomar 12 novas políticas para ampliar ainda mais a abertura dos setores bancário e de seguros, afirmou o presidente da Comissão Reguladora Bancária do país, Guo Shuqing. As medidas incluem o cancelamento dos requisitos de acesso em total de ativos às instituições financeiras estrangeiras e dos procedimentos de aprovação para bancos estrangeiros realizarem negócios em Renminbi (RMB).

Estas políticas marcam mais avanços na abertura financeira da China desde abril do ano passado, quando o país publicou 15 medidas preferenciais nos setores bancários e de seguros. Sem dúvida, as novas ações vão elevar ainda mais o nível de abertura e comercialização nestes aspectos. Além disso, as medidas ajudarão a melhorar o ambiente de negócios da China e encorajarão a participação dos capitais estrangeiros no desenvolvimento financeiro chinês. O setor de serviços financeiros da China também aumentará sua conscientização em concorrência, mercado e inovação.

O setor financeiro é o estabilizador e a força motriz para o desenvolvimento econômico do país. O presidente chinês, Xi Jinping, anunciou uma série de políticas de abertura na conferência anual do Fórum de Boao para a Ásia 2018. Neste ano, o relatório de trabalho do governo chinês também salientou a implementação das medidas de abertura no setor financeiro. A China está acelerando os ritmos em promoção da reforma financeira, de forma a servir melhor para a economia real.

Essas 12 novas políticas foram elaboradas conforme as demandas de desenvolvimento econômico e financeiro da China. A partir de conteúdos específicos, as medidas possuem três características.

Em primeiro lugar, as políticas destacam a consistência dos capitais nacionais e estrangeiros. Por exemplo, o limite superior de ações detidas em bancos comerciais chineses por bancos chineses e estrangeiros é abolido simultaneamente. Também foram facilitadas as políticas de acesso para instituições financeiras chinesas e estrangeiras criarem empresas de financiamento para o consumo. Isso fornece um ambiente de mercado de concorrência justa.

Em segundo lugar, reduz o limite para instituições financeiras estrangeiras entrarem no mercado chinês. As medidas ajudam a atrair mais empresas estrangeiras a investir na China, além de promover a inovação de serviços e o aumento da competitividade de pequenas instituições financeiras chinesas.

Em terceiro lugar, é permitido às instituições estrangeiras realizarem mais serviços financeiros na China conforme a lei, incluindo negócios em Renminbi e pagamento de agente.

Tradução: Zhao Yan

Edição: Erasto Santos Cruz

0 Comentários