Comentário: China quer ver mais atos de boa vontade