Comentário: EUA devem focar nos assuntos racionais internos, em vez de política de religião da China