Comentário: Terão os falcões norte-americanos “delírio persecutório”?