Para aprovar Previdência, Guedes evita embates e adia pauta liberal

Sergio Moraes/Reuters

 

Para garantir a aprovação da reforma da Previdência, o ministro da economia, Paulo Guedes, terá que adiar outras batalhas da sua agenda liberal, segundo dois integrantes da equipe econômica que falaram sob a condição de anonimato porque a discussão não é pública.

Viabilizar a reforma e melhorar a trajetória de endividamento do país exigirão de Guedes destreza para não desagradar bancadas importantes no Congresso, como a ruralista e a da indústria.

A orientação do gabinete ministerial é, por enquanto, adotar medidas que facilitem o ambiente de negócios no Brasil, mas sem custo fiscal ou político, disse um secretário do ministério da Economia.

Ou seja, a intenção é evitar embates com congressistas com potencial de causar danos à reforma da Previdência, considerada pelo governo o primeiro grande teste de força política e divisor de águas do sucesso ou fracasso da pauta econômica.

Um dos embates a serem evitados são os cortes no Sistema S, que Guedes anunciou que faria, segundo um integrante da equipe econômica. Durante a campanha, Guedes também havia prometido rever todos os subsídios, incluindo agricultura e indústria.

Tendo em vista que o governo pretende aprovar a reforma no primeiro semestre, o restante da pauta liberal deverá ficar para ao menos depois da votação da PEC. A ideia é não fazer barulho, disseram as fontes.

 

Fonte: exame.abril.com.br

0 Comentários